PANGEA CAPITAL

contato@pangeacapital.com.br

+ 55 11 2307.0018

Rua Cônego Eugênio Leite, 933, Cj. 131

Pinheiros | São Paulo | SP | CEP 05414-012

  • Pangea

SMART PHONES, SMART CITIES, SMART LIFE?

Nº28



20 DE JULHO, 2015


De acordo com um estudo publicado recentemente pela FGV, com a popularização da tecnologia móvel no Brasil, já temos mais telefones inteligentes (154 milhões) do que computadores (152 milhões)1. Essa nova realidade deflagra uma mudança de comportamento que pode ser observada constantemente ao nosso redor no dia a dia das grandes cidades: as pessoas passam cada vez mais tempo conectadas. Consequentemente, o smartphone passa ser a sua principal ferramenta cotidiana de lazer, resolução de problemas, comunicação, organização, entre tantas outras responsabilidades, o que o torna praticamente um super-herói.


Tendo isso em vista, é interessante notar que há hoje um grande volume de soluções mobile que se propõe a resolver problemas cotidianos da vida das cidades, trazendo mais qualidade de vida aos seus usuários.


Os exemplos desses aplicativos são inúmeros e vão desde a socialização e gamificação do exercício físico (RunKeeper)2, até a democratização do aprendizado e da preparação para o Enem (Geekie)3, passando pela facilidade em pedir comida sem sair de casa (iFood)4.


Entretanto, uma modalidade de soluções tem se destacado porque, além trazer impactos positivos relacionados à otimização do uso do tempo e do dinheiro, tem também impactado a qualidade de vida nas grandes cidades através da sustentabilidade. São os aplicativos que têm alguma relação com a economia colaborativa (ver box abaixo) e que aprimoram o uso dos recursos, trocando a necessidade de posse pelo acesso sob demanda. Isso diminui o consumo de bens, aumenta a eficiência relacionada ao uso dos mesmos, diminui a ociosidade e a descartablilidade e permeia a criação de novas relações interpessoais.


Desde 2013 ocorre na França o OuiShare5, um festival com duração de 3 dias e que tem como pano de fundo a economia colaborativa. Na edição de 2015, que ocorreu entre os dias 20, 21 e 22 de maio, grandes nomes que estão envolvidos com iniciativas dessa nova vertente econômica se encontraram para debater e apresentar estudos e vivências sobre a transição para a economia colaborativa; entre eles estavam:


Jennifer Billock, CEO do Couch Surfing6 – Plataforma que permite que você troque hospedagem por convivência, tanto para viajar quanto para receber pessoas.


Robin Chase, Co-Fundadora do Zipcar7 – Solução de aluguel de carros por hora.


Camila Carvalho, Co-Fundadora do Tem Açúcar8 – Plataforma na qual é possível pedir emprestado coisas dos vizinhos e também oferecer.


Dentre as iniciativas citadas acima, vale destacar que o Tem Açúcar é brasileiro. Dito isso, é interessante mencionar que o cenário de soluções brasileiras de economia colaborativa está efervescendo e que muitas têm trazido ganhos de qualidade de vida para os cidadãos das grandes cidades.


Um exemplo prático disso é o bynd9, uma plataforma mobile de caronas corporativas que acaba de surgir e que tem por objetivo transformar a relação das pessoas com o trânsito através do compartilhamento de carros. Através da tecnologia, o bynd permite que os próprios colaboradores otimizem o uso de seus carros como meio de transporte e tenham ganhos de bem-estar com isso. O foco inicial da solução são as grandes corporações, dado que existe um claro potencial de carona uma vez que 62% dos deslocamentos para o trabalho são feitos de carro e que 64% dos carros trafegam com apenas 1 pessoa dentro! As soluções tecnológicas de compartilhamento de carros através da carona já são bastante comuns em diversos mercados e configuram um exemplo claro de como os aplicativos podem contribuir para a melhora na qualidade de vida das pessoas.


Os benefícios dessa ferramenta vão além, reduzindo o transito e as emissões de Gases de Efeito Estufa nas cidades, impactos positivos que podem agora ser mensurados no próprio site do bynd, através de uma parceria com a Pangea Capital.


A Pangea Capital e o bynd acreditam que sociedades colaborativas são definitivamente sociedades mais sustentáveis; afinal, otimizam a utilização dos recursos já existentes de maneira inteligente.


Texto escrito pelo colaborador Gustavo Gracitelli, co-fundador do bynd


1) http://info.abril.com.br/noticias/mercado/2015/04/numero-de-smartphones-supera-o-de-computadores-no-brasil.shtml 2) http://runkeeper.com/ 3) http://www.geekie.com.br/ 4) https://www.ifood.com.br/ 5) http://2015.ouisharefest.com/ 6) https://www.couchsurfing.com/ 7) http://www.zipcar.com/ 8) http://www.temacucar.com/ 9) http://www.bynd.com.br/

0 visualização