• Pangea Capital

Mercados de carbono, a saga


Nº63


24 de novembro, 2020


Por que o mercado voluntário se mantém aquecido mesmo em um ano historicamente ruim para a economia global?


Por Roberto Strumpf*


Mudanças climáticas é um tópico discutido anualmente pelos países integrantes da Nações Unidas há pelo menos 28 anos, desde a Rio 92[1]. Hoje há quase uma unanimidade, seja na ciência ou no posicionamento dos estados, que vivemos uma crise. As exceções têm caído em descrédito uma a uma, sendo atreladas a interesses comerciais e políticos populistas, todas elas regadas a fartas doses de notícias falsas ou fora de contexto.


Na esteira dessa discussão, o papel dos mercados apareceu cedo, mais especificamente em 97 com a assinatura do Protocolo de Kyoto, que visava reduzir em 5% as emissões globais em relação aos níveis de 1990 até 2012[2]. Dentre as formas de implementação deste compromisso, estava o saudoso Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), um caso clássico de busca de flexibilização e eficiência do comando e controle com o uso do poder e agilidade do mercado. Seu legado em termos de redução de emissões foi pífio, mas a governança do tema, priorização da agenda das nações, nível de conhecimento acadêmico e técnico, todos evoluíram exponencialmente.


Entre marés baixas, como a conferência de Copenhague, e altas, como a de Paris, a proposta de um novo mercado global vagou solta, sem dono, sem força, nem ambição. Mas enquanto as nações brincavam de empurrar o problema com a barriga e discutiam quem pagaria a conta, um movimento de baixo para cima foi ganhando força, inicialmente capitaneado pela sociedade civil organizada e posteriormente abraçado pela iniciativa privada - os mercados voluntários de créditos de carbono. Estes são movidos por todos os outros vetores de engajamento humano que não a regulação: reputação, acesso a mercados, análise de riscos, instinto de sobrevivência, licença social para operar, entre outros.


Até que chegamos em 2020, com o mundo mais desigual do que nunca, com baixo crescimento econômico, dividido entre nações pró e contra imigração, entre pró e contra globalização, com notícias falsas ganhando eleições e líderes populistas movendo uma cruzada contra a ciência. Em um cenário já adverso veio a pandemia e, com ela, a receita perfeita para os estados e também empresas colocarem de vez uma pá de cal sobre qualquer acordo climático global ou mesmo setorial. O que estava evoluindo lentamente na agenda climática seria pausado, o que já estava pausado sofreria retrocessos e, com sorte, voltaríamos no assunto daqui a cinco anos, com a rota de aquecimento para além dos dois graus já consolidada.


Neste cenário, nem o mais otimista apostaria na sobrevivência do mercado, em especial daquele que não se apoia em leis nacionais ou regionais como vemos em alguns países ou províncias. Mas apesar disso, há sinais de um novo impulso no mercado de carbono voluntário, puxado por uma maior demanda por créditos de carbono relacionados a soluções baseadas na natureza[3]para atender a metas de emissões líquidas zero de grandes empresas.


O Google, por exemplo, divulgou em setembro que dará um passo para além da neutralidade para tornar suas operações carbono negativas, de modo que capturem mais emissões do que emitem. Até conseguir esse feito, a empresa de tecnologia continuará compensando as emissões que não conseguir eliminar. A organização anunciou que já compensou o suficiente para neutralizar suas emissões desde a sua fundação em 1998[4].


Segundo o Ecosystem Marketplace Insights Brief, relatório lançado em setembro durante a Semana do Clima em Nova Iorque, o volume de créditos desse tipo tem sido surpreendentemente alto em 2020. Apesar da pandemia da COVID-19, as entrevistas conduzidas pela organização com profissionais do mercado apontam que o volume de transações no mercado voluntário em 2020 pode até exceder o de 2019[5].


O volume de créditos comercializados no mercado voluntário atingiu seu maior pico em 2019, com um valor de US$320 milhões. Segundo a Ecosystem Marketplace, o mercado voluntário de carbono movimentou US$ 5.5 bilhões nos últimos 20 anos[6].


Outra publicação referência, o States and Trends of Carbon Pricing lançado em maio de 2020 pelo Banco Mundial, reforça essa tendência de crescimento do mercado de carbono voluntário. Com mais empresas comprometendo-se com metas de emissões líquidas zero ou buscando desenvolver soluções climáticas positivas, a publicação também aponta para uma tendência de aumento na busca por compensações por parte do setor empresarial, especialmente nos casos em que incluam o escopo 3 (emissões indiretas e/ou ao longo da cadeia de valor) nos seus compromissos[7].


O levantamento da IETA Climate Challenges Market Solutions e da PwC, outra referência no assunto, revela uma expectativa de baixa nos preços dos créditos de carbono nos mercados regulados por causa da COVID-19. Contudo, aponta sinais mais positivos no mercado voluntário devido a uma maior adoção de compromissos empresariais mais ambiciosos, como metas absolutas de reduções de carbono. Eles também observam um ressurgimento do interesse dos clientes por compensações para mitigar os impactos ambientais dos produtos e serviços que escolhem. Essa tendência deverá sustentar a fixação de preços para créditos voluntários de carbono no médio prazo, segundo estimativas da organização[8].


A IETA destaca ainda como principais impulsionadores do mercado de carbono voluntário: i. a ciência, e o reconhecimento do senso de urgência quanto à necessidade de uma transformação dos negócios; ii. liderança do setor privado e ii. delimitação das fronteiras entre ação voluntária e compliance[9].


Aos poucos, o cenário pós-pandêmico se apresenta sobre a agenda climática de forma mais positiva do que poderia se imaginar, provocando uma reflexão sobre os vetores de engajamento. Quais seriam as razões para não só a sobrevivência, mas o fortalecimento dessa agenda a nível global?


- Teria a pandemia despertado a importância do reequilíbrio ambiental para a qualidade de vida e desenvolvimento econômico?

- Talvez o retiro forçado pelo confinamento e a redução da agenda social permitiu tempo para uma reflexão sobre o que, de fato, deve ser a prioridade no âmbito pessoal e profissional?

- Teriam os pontos acima ajudado a acelerar um processo já em curso de engajamento do indivíduo como indutor de mudanças, seja no papel de consumidor, investidor, regulador ou comunidade, aumentando a pressão por mudanças substanciais na agenda climática?

- Quem sabe o desmatamento e queimadas, em especial na Amazônia, tiveram um poder de engajamento e sensibilização global, a ponto de sustentar os compromissos voluntários de grandes corporações e direcionar investimentos para créditos florestais e do setor agrícola?


Com certeza cada um destes fatores tive sua contribuição, mas o resultado dessa movimentação positiva só saberemos, de fato, em novembro de 2021, quando acontece a Conferência das Partes da Convenção-Quadro da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP 26) em Glasgow. Lá, veremos se há vontade política para implementar de fato uma economia de baixo carbono e regenerativa através dos mercados, ou se o engajamento verificado é apenas um soluço na rota de uma crise climática maior.


*Roberto Strumpf, é diretor executivo da Pangea Capital, empresa do grupo Radicle Balance, referência internacional em mercados de carbono. Este artigo foi originalmente publicado na Página 22: https://pagina22.com.br/2020/11/17/mercados-de-carbono-a-saga/


[1] Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (Cnumad), realizada em junho de 1992 no Rio de Janeiro. [2] Ministério do Meio Ambiente. O Protocolo de Quioto. Disponível em: https://www.mma.gov.br/clima/convencao-das-nacoes-unidas/protocolo-de-quioto.html [3] Para saber mais sobre soluções baseadas na natureza, veja nosso post #60: https://www.pangeacapital.com.br/post/solu%C3%A7%C3%B5es-baseadas-na-natureza [4] Ecosystem Marketplace, 2020. State of the Voluntary Carbon Markets 2020 - a Special Climate Week NYC Installment. Disponível em: https://www.ecosystemmarketplace.com/carbon-markets/ [5] Ecosystem Marketplace, 2020. State of the Voluntary Carbon Markets 2020 - a Special Climate Week NYC Installment. Disponível em: https://www.ecosystemmarketplace.com/carbon-markets/ [6] Ecosystem Marketplace, 2020. State of the Voluntary Carbon Markets 2020 - a Special Climate Week NYC Installment. Disponível em: https://www.ecosystemmarketplace.com/carbon-markets/ [7] Banco Mundial, 2020. States and Trends of Carbon Pricing 2020. Disponível em: https://openknowledge.worldbank.org/handle/10986/33809 [8] IETA, 2020. IETA Anual Sentiment Survey. Disponível em: https://www.ieta.org/page-18192/9053936 [9] IETA, 2020. IETA Webinar on Voluntary Market Initiatives. Disponível em: https://www.ieta.org/resources/International_WG/2020/IETA%20VCM%20Presentation.pdf

98 visualizações0 comentário

PANGEA CAPITAL

[email protected]

+ 55 11 2307.0018

UMA EMPRESA DO GRUPO

Radicle_Logo_coral.png

Rua Cônego Eugênio Leite, 933, Cj. 131

Pinheiros | São Paulo | SP | CEP 05414-012