PANGEA CAPITAL

contato@pangeacapital.com.br

+ 55 11 2307.0018

Rua Cônego Eugênio Leite, 933, Cj. 131

Pinheiros | São Paulo | SP | CEP 05414-012

  • Pangea

2016, QUE ANO FOI ESSE?

Nº43



19 DE DEZEMBRO, 2016


2016, que ano maluco! Tão maluco que fica difícil resumir em apenas alguns parágrafos. Ano cheio de altos e baixos, emoções, decepções, conquistas e retrocessos. Ano de aprendizado e de resiliência. Ano no qual a esperança venceu o medo e o medo venceu a esperança. No Brasil e no mundo.


Aqui, os escândalos de corrupção continuaram e chocaram não só a nós mesmos, como também muitos outros países. Esses escândalos mostraram não ter cor e nem partido e, mesmo assim, foi capaz de dividir ainda mais uma sociedade que muitas vezes parece não acreditar em nenhuma instituição do governo. Sofremos impeachment e temos um Congresso que nos envergonha. Quem não se lembra do famoso “Eu voto sim” e por hora achou que algum deputado ia mandar um beijo para a Xuxa em plena sessão de votação da saída ou não da Dilma Roussef?


Apesar disso, tivemos momentos marcantes e podemos falar que demos um show nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos. Provamos, mais uma vez, que o brasileiro sabe fazer uma festa como ninguém, sabe ser receptivo, sabe torcer loucamente para qualquer time que caia nas suas graças e se emociona a cada conquista e história de superação. Em uma linda festa de abertura, mostramos a urgência de um mundo mais sustentável e a necessidade de se cumprir os compromissos assumidos contra as mudanças climáticas.


Compromisso este agora ratificado por 117 países, desde os pequenos até a China, que representam juntos cerca de 80% das emissões globais de gases de efeito estufa (GEE)[1] e que fez, em tempo recorde, o Acordo de Paris entrar em vigor. Um marco histórico nas negociações internacionais que agora vemos ameaçado pela eleição de Donald Trump, político do partido republicano que considera as mudanças climáticas uma farsa. Como resposta positiva, movimentos sociais pressionam e mais de 360 empresas multinacionais já escreveram uma carta aberta a Trump e membros do Congresso americano para que o acordo seja mantido.


Além da eleição norte-americana, outro fato espantou o mundo. Em um referendo, a população britânica votou pela saída do Reino Unido da União Europeia, o famoso Brexit. Essa decisão ameaça a união do bloco europeu, além de exaltar movimentos nacionalistas e anti-migração. Este último, por sua vez, continua a todo vapor, tornando a crise dos refugiados cada vez maior e mais dramática, um verdadeiro colapso da humanidade segundo a ONU.


Nesse campo, as previsões não são nada boas, pois além de fatores relacionados a guerras civis, fatores ambientais, como mudanças climáticas e estresse hídrico, tendem a aumentar ainda mais o fluxo de imigrantes pelo mundo.


Por falar em estresse hídrico, tema da vez do ano passado, esse ano o Sudeste teve um respiro com a volta das chuvas. Os reservatórios estão se recuperando por aqui, porém o Nordeste sofre com a maior seca da sua história. A região possui 23 milhões de pessoas afetadas pela falta de água e, 138, dos 506 reservatórios, estão totalmente secos[2]. Há quem brinque que quem deveria sofrer um impeachment é São Pedro.


Como isso não é possível, esse ano a Pangea tem se envolvido fortemente com o setor público e privado para melhorar a gestão do capital natural. Foi um ano de muito aprendizado e grandes parcerias. Continuamos trabalhando com o setor agropecuário e cidades (ver blog 35) e também com outros setores estratégicos para qualquer país, como o financeiro e o de energia. Abaixo alguns projetos que desenvolvemos em 2016:


Cidades:


  • Banco Mundial: em parceria com o Banco Mundial e a Prefeitura do Rio de Janeiro, a Pangea desenvolveu um estudo sobre o potencial de redução de emissões de GEE do município considerando as ações planejadas relacionadas ao transporte público, tratamento de resíduos, entre outros. Além disso, o trabalho também teve como objetivo apoiar a elaboração do Plano de Ação de Mitigação de Mudanças Climáticas. O projeto foi conduzido no âmbito da Lei 5.248 da Política Municipal sobre Mudança do Clima e Desenvolvimento Sustentável.

  • Workshop CDP Cities: em 2016 a Pangea se tornou um parceiro acreditado pelo CDP para a realização de workshops. Como consequência, realizamos um treinamento para engajar e capacitar 41 municípios brasileiros no tema mudanças climáticas (clique aqui para ver o material do workshop).


Agropecuário:


  • Projeto Carbono Araguaia: continuamos trabalhando no Projeto Carbono Araguaia, que tem como objetivo aprimorar práticas agropastoris em propriedades rurais situadas no Mato Grosso, aumentando a produtividade da região e reduzindo as emissões de GEE (de acordo com a nossa modelagem, as mudanças de práticas demonstram que é possível dobrar o tamanho do rebanho das fazendas envolvidas no projeto e ainda evitar as emissões de 500 mil ton CO2e). O trabalho vem sendo conduzido com o apoio da Dow, que irá utilizar a redução de emissões de GEE mensurada pela Pangea para compensar as emissões dos Jogos Olímpicos Rio 2016.

  • Pegada de Carbono: este ano a Pangea conduziu dois projetos relacionados à pegada de carbono de produtos agrícolas – o etanol produzido pela Raízen e o milho produzido pela Amaggi. Ambos os trabalhos tiveram como objetivo a comparação com os produtos produzidos por outras empresas para comprovar a sua eficiência em termos de emissões de GEE.


Outros setores:


  • Riscos e oportunidades climáticos: este ano a Pangea está trabalhando em dois projetos, um com a Klabin e outro com a EDP Energias do Brasil, que possuem como objetivo principal a identificação e o mapeamento de riscos e oportunidades climáticos, como eles podem afetar as atividades da organização e qual o melhor caminho para a mitigação e adaptação.

  • Matriz de risco hídrico: elaboração de uma matriz de risco hídrico para o Banco Santander que identifica quais são as agências e os municípios mais propensos a sofrer com uma possível crise hídrica. A metodologia utilizada consistiu em uma abordagem comumente associada a riscos de eventos extremos, pontuando e balizando três variáveis de grande interferência no abastecimento de água (exposição, vulnerabilidade e resiliência).

  • Sinduscon: desenvolvimento de uma ferramenta online para o cálculo das emissões de GEE de empresas da construção civil.


Feita a nossa retrospectiva, entramos no próximo ano seguindo com nossa missão. Assim como disse Mario Quintana, acreditamos “que lá bem no alto do décimo segundo andar do ano vive uma louca chamada Esperança”. Esperança de um mundo melhor e mais sustentável nos próximos anos.


Agradecemos a todos, clientes e parceiros, que estiveram conosco em 2016 e reafirmamos o nosso compromisso em continuarmos juntos nessa caminhada. Boas festas!

Equipe Pangea Capital.


Texto escrito por Lígia Carvalho, colaboradora da Pangea Capital.


[1] Disponível em: http://unfccc.int/paris_agreement/items/9485.php

[2] Disponível em: http://veja.abril.com.br/brasil/nordeste-brasileiro-enfrenta-a-maior-seca-de-sua-historia/

3 visualizações